5 de agosto de 2016

Rio 2016 e a Argentina: quais as principais chances de medalhas?

Matéria originalmente produzida e postada no site Futebol Portenho
http://www.futebolportenho.com.br/2016/08/05/rio-2016-e-argentina-quais-as-principais-chances-de-medalhas/


Os Jogos Olímpicos Rio 2016 começaram antes da abertura para a equipe argentina, já que nesta quinta-feira o futebol masculino acabou derrotado para Portugal por 2-0 em sua chave e precisará reverter o quadro para continuar sonhando com alguma medalha este ano. Pelo futebol apresentado pela equipe treinada por Olarticochea, será muito complicado sonhar com o pódio. Mas e nas outras competições? Quais são as chances dos atletas e times argentinos levarem alguma medalha pra casa? Entre os 213 atletas (139 homens e 74 mulheres) que competirão em 25 esportes, alguns prognósticos:

BOXE



A modalidade que mais deu medalhas ao país na história dos Jogos Olimpicos (24 no total) chega ao Rio com grandes esperanças e querendo quebrar um jejum que dura desde Atlanta 1996, quando Pablo Chacón ficou com o bronze. Serão seis representantes: Leandro Blanc (49KG), Fernándo Martínez (52KG), Alberto Melian (56KG), Ignacio Perrín (60KG), Alberto Palmetta (69KG) e Yamil Peralta (91KG). Destes, Peralta é a principal aposta. Em Londres 2012 ficou na quinta posição e no último Mundial em 2013 levou a medalha de bronze.


HOCKEY SOBRE GRAMA

Feminino



Talvez a principal chance de medalha de ouro para a Argentina é no “hockey sobre césped” feminino com o time batizado de “Las Leonas”. As argentinas são consideradas uma das melhores seleções do mundo e sonham em ouvir o hino argentino no lugar mais alto do pódio. No último jogo de preparação para as Olimpíadas, ainda em Buenos Aires venceram a Alemanha por 2-0. O Hockey Feminino argentino tem 4 medalhas consecutivas, sendo Bronze em Atenas 2004 e Pequim 2008 e Prata em Sydney 2000 e em Londres em 2012.

Masculino



Pelo lado masculino o Hockey também traz sonhos já que “Los Leones” vem de um título no Pan de Toronto em 2015 e anteriormente foram medalhistas de bronze no Mundial da categoria em 2014. O que pode complicar a vida da equipe argentina são os fortes adversários da primeira fase. A seleção estréia já contra a Holanda (medalha de prata em Londres 2012) e terá pela frente também o Canadá e a Alemanha (bi-campeã olímpica Pequim-Londres). Mas uma previsão otimista faz sonhar com pelo menos um bronze.

BASQUETE MASCULINO



O incrível ouro olímpico do basquete masculino em Atenas 2004 encantou tanto que até hoje quando se fala na competição a Argentina aparece como uma das seleções favoritas ao pódio. Porém, 12 anos depois a força já não é mais a mesma. Luis Scola e Manu Ginóbili (além de Andrés Nocioni e Carlos Delfino) representantes do time de Atenas seguem na ativa e terão a missão de comandar alguns garotos na última aparição da “geração dourada”. A Argentina está no Grupo B do torneio olímpico com Espanha, Brasil, Croácia, Lituânia e Nigéria.

PS: Ruben Magnano, técnico da Seleção Argentina nas olimpíadas de 2004 hoje é treinador do Brasil e também vive uma boa expectativa de pódio, já que a Seleção Brasileira vem forte para os Jogos do Rio.

TÊNIS MASCULINO



Juan Martín Del Potro, medalhista de bronze nos Jogos de Londres está longe da forma ideal de quatro anos atrás, mas mesmo assim ainda é o principal nome da Argentina no torneio de tênis masculino que começa a ser disputado a partir deste sábado. No torneio de duplas formará o time com Machi González que reeditarão a Copa Mundial de 2009 em Dusseldorf na Alemanha, onde venceram duas partidas. Os outros representantes serão Juan Mónaco Federico Delbonis, Guido Pella e Guillermo Durán.

JUDÔ FEMININO



O sonho nesta modalidade fica com Paula Pareto, medalha de bronze nos jogos de Londres em 2012 se tornando a primeira do Judô na história do país. Paula vem de bons resultados como o ouro conquistado no Mundial disputado em Astana no Cazaquistão no ano passado, além das medalhas de Prata no Pan de Toronto em 2015 e no Campeonato Panamericano disputado em Cuba no último mês de abril.

Paula ganhou em 2015 o “Prêmio Olimpia”, dado ao melhor desportista do ano na Argentina, se tornando a primeira judoca ao conseguir a honraria.

RUGBY DE 7



O torneio que retorna aos Jogos Olímpicos após 92 anos traz também uma grande esperança de Ouro para a Argentina. Assim como as Leonas do Hockey, os Pumas do Rugby de 7 são os favoritos para levar o país ao posto mais alto do pódio nos Jogos Olímpicos de 2016. Comandados pelo rosarino Juan Imhoff (foto), o time espera melhorar ainda mais os grandes resultados que conquistaram recentemente, como a medalha de Prata no Pan de Toronto e o título invicto do Sulamericano disputado em Santa Fe, ambos em 2015.

“Los Pumas” iniciam a caminhada na terça-feira contra os EUA às 13h. No mesmo dia às 18h30 enfrentam Fiji e na quarta se encontram com o Brasil às 13h.

VELA



Com medalhas nas últimas cinco edições dos Jogos Olímpicos, a Vela também desponta como um dos esportes favoritos a pódio no Rio de Janeiro. Entre os candidatos estão a dupla Santiago Lange e Cecilia carranza, vice-campeõe do Mundial de Santander em 2014 na classe 470. O veterano Santiago de 54 anos, medalha de bronze em Atenas 2004 e Pequim 2008 participará de sua última olimpíada e quer encerrar a carreira em grande estilo.

Ao total a Argentina tem 70 medalhas conquistada desde o início dos Jogos Olímpicos, sendo 18 de ouro, 24 de prata e 28 de bronze. Em Londres 2012 foram apenas quatro conquistas: Ouro para Sebastián Crismanich (Taekwondo), Prata para a Seleção Feminina de Hockey e os Bronzes para Juan Martín del Potro (Tenis) e Lucas Calabrese/ Juan de la Fuente (Classe 470 – vela).