3 de novembro de 2016

Marcelo Toscano repete na Coréia o sucesso do América-MG



O atacante Marcelo Toscano, destaque na campanha do acesso do América-MG em 2015 vem fazendo uma grande temporada na Coréia do Sul, defendendo as cores do Jeju United. Até o momento, o jogador tem 11 gols e oito assistências em 37 jogos.

Faltando apenas uma rodada para o fim da temporada coreana, já é possível afirmar que Toscano será o artilheiro do time no ano. Adorado pela torcida local, o jogador revelou que os objetivos propostos no início do Campeonato Coreano foram cumpridos. “Nossa meta desde o início do campeonato era ir a Champions. Graças a Deus conseguimos esse objetivo e estou muito feliz por ter alcançado”, disse.

O sucesso no futebol coreano é tanto, que Marcelo Toscano quer ficar na Ásia. Porém, o vínculo do atleta com o Jeju se encerra no fim de 2016. Apesar das tratativas para permanecer na equipe, o jogador coloca o futuro nas mãos de Deus e não descarta até mesmo uma volta ao futebol brasileiro. “Meu plano com minha família é permanecer na Ásia, mas está nas mãos de Deus. Entregamos nosso futuro a Ele. Sei que fiz um bom trabalho esse ano, aliás os últimos dois anos (América e Jeju) foram apenas bênçãos na minha vida. Consegui manter o nível do meu trabalho e isso é muito importante para sequência da minha carreira”, analisou.

Se depender da relação que mantém com a torcida do Jeju, o atleta não mudará de clube. Com muitos gols e ótimas atuações, o nome de Marcelo Toscano é um dos mais aplaudidos e festejados antes dos jogos e o reconhecimento nas ruas é instantâneo. “Onde saio eles falam meu nome. As crianças quando me vêem, ficam muito alegres. Gritam: Marcelo, Marcelo. Também gritam meu nome no estádio. Eles têm um respeito enorme aqui e tenho um carinho muito grande pela torcida”, contou.

No entanto, o reconhecimento do torcedor não veio antes de muito trabalho. Logo na chegada à Coreia, Marcelo Toscano teve dificuldades, principalmente com a alimentação. Além das diferenças culturais, outro aspecto impactante na chegada ao Clube foi o modo de jogar futebol.  Mas, aos 31 anos e com passagens pelo futebol europeu, o jogador não demorou a superar os problemas. “No começo foi complicado, mas por causa da comida. O futebol deles é de muita correria, gostam muito de correr (risos). No Brasil é mais cadenciado. O futebol aqui, até nos treinos, tem que ser sempre forte. Eles não gostam dos treinamentos mais ritmados. É preciso treinar no limite mesmo”, comentou.

Superadas as barreiras, Toscano teve a oportunidade de aproveitar a vida no país asiático. Segundo o jogador, a segurança é o maior diferencial em relação ao Brasil. Além disso, o Jeju oferece toda uma estrutura aos estrangeiros. Marcelo, por exemplo, mora numa casa dentro do CT. “Aqui é muito bom de se viver, o nível de vida é maravilhoso, muita segurança, meus filhos ficam tranquilos em casa. Vivemos muito bem. Praticamente moramos em uma ilha perfeita”, destacou.


Relação com o América-MG



Em 2015, Marcelo Toscano foi um dos principais jogadores do América no acesso à Série A do Brasileirão. Foram 37 jogos com o manto Alviverde e 14 gols marcados. Desde que saiu do Coelho, o jogador não deixou de acompanhar o Clube. Por dentro de tudo que passa no Brasil, Marcelo analisou a temporada da equipe.

“Sempre vejo os jogos do América. Vejo as notícias, falo sempre com o presidente Anderson. Infelizmente não tiveram um ano muito bom. Os jogadores lutaram muito para não estarem nessa situação, até por que ninguém queria que isso acontecesse. Agora é planejar bem para 2017 e formar um grupo para poder retornar à elite”, avaliou.