9 de janeiro de 2017

Intermunicipal: o maior torneio de futebol amador do país


Todas as fotos: Geovan Santos / Blog Ligeirinho no Esporte

Chegou ao final neste domingo mais uma edição do maior torneio de futebol amador do país, o Campeonato Intermunicipal da Bahia. Disputado desde 1946, o Intermunicipal movimenta a maioria das cidades baianas que colocam a seleção da cidade na disputa, acirrando rivalidades regionais e colocando no mapa do futebol regiões que quase sempre o futebol profissional passa longe, mesmo na disputa do Estadual. E a final deste ano retrata bem isso: Itaberaba x Itabela não possuem times sequer na segunda divisão do Baianão. Para assistir futebol profissional em 2017, um torcedor da cidade de Itaberaba – localizada na região da Chapada Diamantina – terá que viajar no mínimo 172 km até Feira de Santana. E o de Itabela – município de 28 mil habitantes no sul do estado – terá que se deslocar 133 km até Teixeira de Freitas, que este ano terá um representante na elite baiana. Por isso o Intermunicipal se torna tão atraente: é a aproximação do esporte mais popular do mundo com um público que nem sempre tem a chance do contato direto com a atmosfera de uma competição futebolística.

E isso é algo que não falta no Intermunicipal... antes da partida deste domingo no estádio Manzolão em Itabela, vários torcedores já faziam festa nas ruas próximas, mesmo aqueles do time visitante que encararam 592 km de chão rumo ao sul da Bahia para empurrar a equipe que defendia as cores da cidade. Dentre os torcedores, o recém eleito prefeito de Itaberaba que fez questão de pegar a estrada para assistir o jogo ao lado dos conterrâneos. A imprensa também marcava presença em peso. Como o campeonato é organizado e promovido pela Federação Baiana de Futebol, repórteres, radialistas e jornalistas que fazem a cobertura têm que seguir todo o protocolo que é exigido também no Campeonato Baiano, por exemplo. A grande final do campeonato teve transmissão ao vivo pela TV aberta – assim como toda a fase decisiva – com a TVE Bahia mostrando tudo pelo canal 10 para todo o estado e também pelo Facebook, levando o Intermunicipal para o mundo inteiro.

Equipes alinhadas para o hino nacional, autoridades e arbitragem CBF: a grande final do maior torneio amador do país

O Intermunicipal de 2016 teve sua final adiada pelo acidente com a Chapecoense. Na cerimônia inicial não faltou a homenagem ao time catarinense


Na transmissão da TV além de mostrar os times, a torcida local e a toda a expectativa da final, uma repórter marcava presença em Itaberaba conferindo de perto a animação do torcedor que não pode viajar e de longe enviava as energias positivas para sua equipe. No estádio, as arquibancadas de cimento do estádio Manzolão estavam cheias, ao som da charanga e com torcedores com camisas de Flamengo, São Paulo e Chapecoense se misturando e encarando um sol de 30°C para empurrar o time rumo ao título.
O campeão seria inédito. Nenhuma das duas equipes já tinha levantado o mais cobiçado troféu do interior baiano, sequer chegado a grande final e o empate sem gols na primeira partida aumentava ainda mais a apreensão das duas torcidas. Mas o time visitante foi quem deu as cartas e logo aos 9 minutos o lateral direito Lucas marcou um golaço, emendando de primeira sem chance pro goleiro itabelense. O gol deixou o time da casa nervoso e os visitantes aproveitaram, sendo que aos 20 minutos Tobinha ampliou e deixou Itaberaba com as duas mãos na taça. A pá de cal veio no segundo tempo, quando Pitchaco fez o terceiro e deu números finais ao placar levando pela primeira vez o título para a cidade da Chapada Diamantina e recebendo a taça das mãos de quem batizou o campeonato em 2016, o ex-jogador Liédson.



Arquibancadas lotadas no estádio, mas não faltou o improviso para não perder a partida.

Com o título, o técnico da seleção de Itaberaba, Zé Carijé se tornou um dos grandes nomes do Intermunicipal. Tetra campeão como jogador defendendo a seleção de Conceição do Coité (de 2005 a 2008) ele levanta o título agora como treinador depois de bater na trave em 2014 com a seleção de Santaluz. Após o título, Carijé deverá assumir o cargo de auxiliar técnico da equipe do Jacobina, que disputará a elite do futebol baiano em 2017. Para chegar ao título inédito, Itaberaba jogou 18 vezes, venceu 16, marcou 48 gols e sofreu apenas 7. A cidade de 66 mil habitantes a partir de hoje tem um motivo muito grande para se orgulhar, está no hall de campeãs do interior da Bahia.

REVELAÇÕES

Todo jogador que disputa o Intermunicipal tem diversos exemplos para mirar, nomes que estiveram nas mesmas condições, jogando nos mesmos campos quase sempre de estrutura precária se comparados ao do futebol profissional e que se consagraram no cenário do futebol baiano, nacional e até mundial. Liédson da Silva Muniz que deu nome ao troféu de campeão na edição deste ano é um dos exemplos mais notáveis. O ex-jogador que trabalhava como empacotador em um supermercado disputava o torneio pela seleção de Valença quando na edição de 1999 aos 22 anos (idade considerada avançada para aparecer no futebol profissional) terminou como artilheiro e chamou a atenção do Poções, clube que na época disputava a primeira divisão do Baianão. De lá, o jogador passou por Prudentópolis-PR, Inter de Santa Maria-RS até chegar ao Coritiba, onde estourou de vez. Corinthians, Flamengo, Sporting Lisboa e a naturalização portuguesa para poder disputar a Copa do Mundo de 2010 por Portugal vieram na sequência de sua carreira vitoriosa como profissional.

Liédson surgiu no Intermunicipal, teve carreira vitoriosa e foi o grande homenageado de 2016 com o nome do troféu de campeão


Mas não só Liédson é uma revelação do Intermunicipal. O torneio já colocou na vitrine Edilson “Capetinha” (seleção de Castro Alves); Junior Baiano, (seleção de Poções); Júnior (seleção de Santo Antônio de Jesus); Aldair (seleção de Ilhéus); Charles (seleção de Itapetinga), Washington (seleção de Valença); Bobô (seleção de Senhor do Bonfim) e Neto Berola (seleção de Buerarema). Este ano, o lateral direito Marcelo que disputou o Intermunicipal pela seleção de Santa Luz já está em período de testes na Juazeirense. E outros devem surgir. Alguns atletas dos finalistas Itaberaba e Itabela devem também receber oportunidades para serem observados em equipes profissionais do interior baiano. Além de aproximar o publico muitas vezes distante de competições a nível profissional, o Intermunicipal também tem o poder de proporcionar a alguns atletas a oportunidade de manter o sonho de chegar a uma equipe profissional vivo. Essa é uma das grandes razões do torneio.