28 de julho de 2017

Guia da Segundona Mineira 2017

Tupynambás: campeão de 2016

A Segunda (3ª) Divisão do Campeonato Mineiro começa neste sábado e vai até o final de outubro movimentando o interior do estado com mais uma competição oficial. Porém este ano o campeonato está bem diferente: apenas 9 equipes participarão do torneio que tem o time B do Atlético como a principal atração. Equipes de tradição como Ipatinga - campeão mineiro de 2005 - e Democrata de Sete Lagoas retornam ao cenário estadual enquanto novatos como Betis de Ouro Branco e Inter de Minas de Uberlândia surgem pela primeira vez no profissionalismo. 

Contamos mais uma vez com a participação do nosso grande Wilson Manula, especialista em futebol mineiro para a montagem do guia. A exemplo do que já fazemos constantemente na Primeira Divisão e no Módulo 2, apresentação, principais destaques de cada time e claro o famoso Palpitômetro.

Vamos aos times:




Betis
(Ouro Branco)





Estreando no futebol profissional, o Betis FC promete fomentar o esporte e revelar jovens atletas de Ouro Branco e região. Será comandado por Silvio Carlos Mariano Jr (ex-Estrada Real, clube da cidade que já disputou estaduais de base). O goleiro é João Paulo Rinco (ex-Tupynambás). Thiago Paim (ex-Veranópolis) será o xerife da defesa. O volante Bruno Henrique vem do Operário-MT. Terá a seu lado o versátil  Ismael (ex-São Luiz-RS). O meia Matheus Castro (ex-Goiânia) municia o ataque.

O que pode ajudar: Como caçula do campeonato, o Betis é pura empolgação. Disposição não vai faltar.

O que pode atrapalhar: Sendo um projeto embrionário, o clube certamente enfrentará muitas dificuldades estruturais.

O cara: Thiago Paim. Um dos atletas mais experientes do grupo, deve comandar a defesa no melhor estilo zagueiro “vigoroso”.


Thiago Paim será o líder do time

Olho em: Ismael Brezolin. Volante que tem bom passe e chega com frequência ao ataque. Bom arremate de meia distância.


Palpitômetro 

Poderá criar alguma dificuldade para os rivais jogando em Ouro Branco, mas está no torneio para aprender. Será coadjuvante.




Coimbra
(BH-Nova Lima)





Tradicional participante da Segundona Mineira (foi 4° colocado em 2016), o Coimbra promete vir forte esse ano. Inaugurando um CT de primeiríssimo nível em Contagem, o clube do Banco BMG investiu na qualidade da comissão técnica e dos atletas. O técnico é Éder Bastos (foi atleta do Cruzeiro nos anos 80), ex-Tupi. No gol Gustavo Rangel (ex-Caldense) e George (ex-Guarani) disputam a posição, treinados pelo excelente Ronaldo Gontijo. O zagueiro Paulo Roberto Prestes Jr (ex-Villa Nova) comanda a defesa, que tem ainda Diogo Henrique (ex-Rio Branco SP). Maicon (ex-Mamoré) e Barone (ex-Uberaba) são laterais de muita força. No meio o volante Luis Felipe (ex-Tricordiano) é muito forte na marcação e tem bom passe. Terá a seu lado Lucas (ex-Democrata GV). O meia atacante João Willian (ex-Nacional) é muito bom jogador. Divide a armação com Deco (ex-Capivariano). Na frente, o jovem Iguinho é grande promessa. Weverton (ex-Londrina) tem força e velocidade. Caio Dantas (ex-Uberlândia) é a grande esperança de gols. Vai mandar seus jogos no Alçapão do Bonfim, em Nova Lima.

O que pode ajudar: O Coimbra é muito organizado e oferece estrutura comparável aos grandes clubes. Faz diferença.

O que pode atrapalhar: Como todo clube empresa, o Coimbra ainda não atrai grande número de torcedores. Pode fazer falta.

O cara: Caio Dantas. Atacante de muita movimentação, é exímio finalizador. Será a grande aposta de gols do time.


Apesar de jovem, Caio Dantas já é experiente e o destaque do Coimbra

Olho em: João Willian. Meia ofensivo de habilidade e precisão nos chutes de fora de área. Vem de boas passagens por Tupynambás e Nacional de Muriaé, tem chance de se formar no cenário mineiro.


Palpitômetro

O clube é muito bem estruturado e com tendência de crescimento nos próximos anos. O plantel é equilibrado. Deve fazer boa campanha, e embora o acesso seja sonho distante, não é impossível. Coimbra corre por fora. Pode surpreender.




Democrata
(Sete Lagoas)



Depois de 2 anos afastado do profissionalismo (foi rebaixado no Módulo II 2014), o tradicionalíssimo Jacaré volta em 2017. O time é “cascudo”, com alguns nomes bem conhecidos. O técnico é Fred Incalado (jogador do Atlético nos anos 80). O bom goleiro Ranule volta ao clube, após ser campeão capixaba pelo Atlético Itapemirim. A zaga tem Carciano (ex-Villa Nova), 36 anos e atleta mais experiente do grupo. Helder (ex-Nacional) e o jovem Rafael (ex-Betinense) também compõem a defesa. O lateral esquerdo Tiago Balaio (ex -Democrata GV) é muito veloz e apóia bem. Rafinha (ex-J.Malucelli) é volante de marcação. A armação fica por conta de Juninho Matozinhos (ex-Tupynambás), que aos 27 anos, é o grande nome do clube. Guilherme Junio (ex-Valério) se movimenta bem e dá velocidade ao time. O veloz atacante Lucas Vilela (ex-Social) deixou o clube rumo à Lituânia. Faltam peças de bom nível no ataque.


Democrata que já teve Bernard e Marcos Rocha defendendo suas cores, tenta se reerguer no cenário mineiro

O que pode ajudar: é a camisa mais forte entre os times do interior. Sua torcida é fanática e deve apoiar em todos os momentos.

O que pode atrapalhar: Embora tenha alguns bons nomes, o elenco é modesto. Faltam peças de reposição de bom nível.

O cara: Juninho Matozinhos. Meia armador “das antigas”, é um camisa 10 clássico. Jogador muito técnico, é excelente nas bolas paradas.

Olho em: Guilherme Junio. Meia de boa técnica, se movimenta muito e comanda o meio campo. É o pulmão do time. Vem de bom Módulo II no Nacional de Muriaé.


Palpitômetro

Entra no campeonato buscando o acesso. Embora não seja um dos favoritos, é sempre uma força a ser considerada. Corre por fora.




Inter de Minas
(Uberlândia)




Estreando no profissionalismo, o Inter de Minas apresenta trabalho consistente há uma década nas categorias de base. Disputa torneios da Liga Uberlandense e mineiros sub-15 e sub-17. Vai usar praticamente apenas atletas jovens (alguns juvenis) que fazem parte do projeto do clube. O técnico é Carlos Alberto Baub, o Carlão. Dirigiu por muitos anos as equipes de base do Uberlândia. O elenco é totalmente desconhecido. São jovens atletas em busca de potenciais negociações. Apenas o meia Victor Hugo (ex-base do Cruzeiro) é uma cara (mais ou menos) conhecida.

O que pode ajudar: a falta de pressão. Contando basicamente com atletas em formação, a cobrança por resultados não deve existir.

O que pode atrapalhar: a falta de experiência. Garotos não tem como enfrentar homens. Principalmente no futebol. A disparidade é muito grande.


Palpitômetro

Maior candidato a “saco de pancadas” do torneio. Será o Arsenal de 2017? Tomara que não.




Ipatinga
(Ipatinga)



Após amargar seguidos rebaixamentos em nível nacional e estadual, finalmente o Tigrão de Aço dá sinais de que deve se recuperar. O clube foi reorganizado e volta como um dos grandes favoritos ao acesso. O técnico é o experiente Wantuill Rodrigues (ex-Cruzeiro), grande conhecedor do futebol mineiro. No gol, Alencar (ex-Nacional) e Kaiky (ex-Uberaba) brigam pela posição. O experiente André Alves (ex-Patrocinense) é Dill (ex-Sergipe) formam a zaga. As laterais tem Márcio Gabriel, jogador com muita história no clube, Júlio Precata (ex Betinense) e o camaronês Arnold (ex-base do Cruzeiro). Os volantes são Nailson (ex Mamoré) é Denílson (ex-Guarani), jogador de muita força, excelente na marcação. Paulinho (ex-Betinense) também compõe O setor. O veterano Luizinho (campeão mineiro em 2005 pelo clube) ainda joga em bom nível. Será o maestro do time. Ao seu lado, os versáteis Diego Fumaça (ex-Valério) e Magalhães (ex-Betinense) dão muita consistência ao meio campo. O veloz Lourival (ex-Democrata GV), Kanu (outro campeão de 2005 que retorna) são os homens de frente. Paulo Henrique (ex-Atlético e Seleção Brasileira sub20) comanda o ataque.

O que pode ajudar: O clube tem gente que entende muito de futebol. O diretor de futebol é Amarildo Ribeiro, um dos maiores conhecedores do futebol mineiro. Faz diferença.

O que pode atrapalhar: Ainda ressabiado pelos fracassos nos últimos anos, o torcedor anda meio sumido do Ipatingão. O time precisa “reconquistar” a cidade.


Luizinho (com a camisa do Flamengo) volta ao clube 
que o consagrou e foi campeão em 2005

O cara: Luizinho. Jogador muito experiente (ex-Cruzeiro e Flamengo), conhece todos os atalhos do campo. Será o maestro da equipe.

Olho em: Magalhães. Meia atacante de muita movimentação, tem força pra recompor a defesa e chegar firme no ataque. Jogador muito versátil.


Palpitômetro

É um dos grandes favoritos do torneio. Tem jogadores rodados e jovens de muito bom nível. Aposta certa para conquistar uma das vagas do acesso.





Poços de Caldas
(Poços de Caldas)



Depois de se afastar da disputa por alguns anos, o Vulcão volta repaginado (inclusive de escudo novo). Clube de boa estrutura fora de campo, Vulcão conta com ajuda da Caldense, que emprestou alguns atletas. O técnico é o jovem e competente Marcelo Albino (37 anos), com alguns bons trabalhos no próprio Poços, na base de Ponte Preta e São Carlos. Dirigiu a Esportiva Guaxupé em 2016. No gol estará Fernando Nunes (ex-Cascavel). Davy Einstein (ex-Valério) é um zagueiro de bom nível. Fará boa dupla com Alexandre Lazarini (ex-Caldense). Dener (ex-Atlético PB) é o lateral esquerdo. O volante Tharsus (ex-Caldense) é marca bem e tem bom passe. Terá Patrik (ex-Vitória ES) ao seu lado. Felipe Santos (ex-Juventus), Andre Oliveira (ex Portuguesa), Gustavo (ex-Red Bull) e Lucas Rufino (ex-Betinense) são os meias. Willian Emanuel (ex-Jacutinga) é a esperança de gols. Os jovens Vinicius Pimentel (ex-Nacional SP) e Carlinhos (ex-Caldense) completam o ataque.

O que pode ajudar: Vulcão conta com boa infra estrutura de alojamento e instalações. Importante demais em torneio de pontos corridos e viagens longas.


Enquanto esteve ativo (2007-2013) o Vulcão conseguiu conquistar 
boa parte do torcedor de Poços que sempre apoiou a equipe


O que pode atrapalhar: Embora tenha alguns atletas experientes, o grupo é muito jovem. A falta de kilometragem pode pesar em alguns jogos mais duros.

O cara: Willian Emanuel. Atacante de ótimo porte físico, tem muita força dentro da área. É ótimo finalizador e forte no jogo aéreo. Bom jogador.

Olho em: Davy Einstein. Zagueiro de boa estatura, é muito firme na marcação. Aos 23 anos, vem de boas passagens por Valério, Tupi e Social.


Palpitômetro

Poços deve fazer campanha correta. Mas dificilmente o Vulcão entrará em erupção. Fica no meio da tabela.




Ponte Nova
(Ponte Nova)




A boa campanha de 2016, animou o Ponte Nova FC a participar novamente esse ano. A capivara (mascote do clube) vai usar basicamente atletas jovens da região. O técnico é Anderson “Tim” Chaves, com vasto trabalho nas equipes amadoras locais. Entre os poucos atletas conhecidos, o destaque é o bom lateral direito Daniel Abalen (ex-Mamoré). Vitinho (ex-base do Cruzeiro) é o meia organizador. O atacante André Carreiro (ex-Nacional) comanda o ataque. O clube mandará seus jogos na cidade vizinha de Rio Doce, no estádio Caetano Cenachi Neto.

O que pode ajudar: a torcida local é empolgada e empurrará a Capivara nos jogos em casa.


Vou ser sincero: só botei essa foto da torcida aqui 
por causa desse MASCOTE-VACA do patrocinador

O que pode atrapalhar: a limitação técnica é evidente. A adaptação de atletas amadores ao futebol profissional é difícil e muitas vezes traumática.

O cara: Daniel Abalen. Lateral de muito boa técnica, sobe ao ataque com desenvoltura. Formado na base do Villa Nova, fez bom campeonato 2016 pelo Coimbra. Bate bem na bola.

Olho em: André Carreiro. Atacante que surgiu como grande promessa no Nacional de Nova Serrana, vem em baixa nos últimos anos. É bom finalizador.


Palpitômetro

Dificuldades a vista. É pouquíssimo provável que o clube repita a boa figura (foi 7º entre 14 participantes) de 2016. Mas deve dar muito trabalho nos jogos como mandante.




União Luziense
(Santa Luzia)



Tradicional clube de Santa Luzia, dessa vez o União promete não ser mero coadjuvante. Organizado pelo gerente Walter Minhoca (ex-meia do Ipatinga), o time conta com vários nomes conhecidos do futebol mineiro. O técnico é  Gerson Evaristo, o “Rei do Acesso (tem 5 nos últimos 6 anos). Thulio (ex-Betinense) é um bom goleiro. Thales (ex-Passo Fundo) comanda a defesa. Caetano (ex-Desportiva-ES) é volante de muita força. Sandro (ex-Cruzeiro) é o atleta mais experiente e vencedor do grupo. Foi campeão da Tríplice Coroa em 2003. Na frente, o poder de fogo é grande com o veloz Cassiano (ex-Tupynambás), o matador Tiago Resende (ex-São Caetano) e o veterano Eraldo (ex-Villa Nova).


Sandro (ele mesmo) ainda tá na ativa e jogará pelo União

O que pode ajudar: Com elenco formado por jogadores experientes, é um time “cascudo”. Não vai sentir pressão nos momentos decisivos.

O que pode atrapalhar: Até o presente momento não conseguiu liberar o estádio da Frimisa em Santa Luzia. Deve mandar seus jogos no Farião, em Divinópolis.

O cara: Cassiano. Jogador extremamente veloz, chega com facilidade a linha de fundo. Deve ser a válvula de escape do time.

Olho em: Tiago Resende. Atacante que surgiu muito bem na base do Cruzeiro, Tiagão espera recuperar o bom futebol de algum tempo atrás. Muito forte e bom finalizador.


Palpitômetro

É uma das forças do campeonato. No papel, tem time pra brigar pelo acesso. É ótima aposta. 





Atlético B
(Belo Horizonte)


Foto: Bruno Cantini

Grande novidade do torneio em 2017, o Atlético B é o grande favorito do torneio. Conta com muitos jovens talentosos e alguns atletas mais experientes que buscam espaço. O técnico é o ótimo Caio Zanardi, com trabalhos importantes nas Seleções de base e no Desportivo Brasil de SP. O goleiro deve ser Rodolfo, que ainda não encontrou espaço entre os profissionais. Talvez seja o ponto fraco do time. A zaga tem Donato (ex-Londrina) e Igor Brondani (ex-Boa Esporte). O experiente Mansur (ex-Vitória) e Adson são os laterais. Lorran e Mateus Roldan (fez bom mineiro 2017 pelo Democrata GV) são os volantes. O habilidoso Filipinho e Mateus Sergipano (outro ex-Democrata GV) são responsáveis pela armação e devem ganhar a companhia de Xavier (ex-América). O ataque tem o rodado Cláudio Leleu (campeão da Libertadores 2013) e João Figueiredo. Flávio Macarrão é ótima opção.

O que pode ajudar: Teoricamente é o melhor elenco do torneio. Tem vários jogadores diferenciados tecnicamente. Deve “sobrar” em alguns jogos.


Leleu: a lenda! Campeão da Libertadores 2013 é uma das principais peças do time

O que pode atrapalhar: a Segundona Mineira não é exatamente atrativa pra jovens que buscam espaço no time de cima. Pode faltar “foco”.

O cara: Filipinho. Melhor jogador do grupo tecnicamente, o meia sofre com lesões repetidas. Com boa sequência, pode mostrar sua habilidade e visão de jogo. É diferenciado.

Olho em: Flavio Macarrão. Tido como problemático e temperamental nas categorias de base, o atacante parece ter amadurecido. Artilheiro nato, tem bom posicionamento e faro de gol. 


Palpitômetro

Maior candidato ao título, Galo B deve abocanhar uma das duas vagas de acesso sem maiores sustos. É barbada.