31 de outubro de 2017

Segunda Divisão do Mineiro: balanço final


Foto: Igor Reis/Portal Vale do Aço

A Segunda Divisão do Campeonato Mineiro terminou neste final de semana e consagrou o Ipatinga como o grande campeão da competição. O Tigre do Vale do Aço retorna ao Módulo 2 um ano após cair e se firma como forte candidato a retornar também a elite em 2019. Totalmente remodelado fora de campo, o time que já foi campeão mineiro em 2005 e disputou a Série A do Campeonato Brasileiro em 2008 tenta voltar aos dias de glória. O título consagrou o Ipatinga como um dos únicos times que já foram campeões das 3 séries em Minas (Elite – 2005, Módulo 2 – 2009 e Segunda Divisão – 2017). 

O Ipatinga finaliza o campeonato com 73% de aproveitamento, o melhor ataque (40 gols marcados), o melhor saldo de gols (24) e o artilheiro da competição: Paulo Henrique com 17 gols. Por coincidência, foi o único time que mudou o treinador durante a competição: saiu Wantuill Rodrigues e entrou Eugênio Souza, que levanta mais uma taça na carreira.


Números: 

A Segunda Divisão terminou com 231 gols marcados sendo o Ipatinga o dono do melhor ataque com 40. O pior foi o Betis com apenas 13 gols. A melhor defesa foi a do Democrata-SL com apenas 12 gols sofridos. A pior, o Betis novamente com 51 gols contra.

O Ipatinga venceu 11 das 16 partidas que disputou e o Betis de Ouro Branco foi o único time que passou em branco na competição, com nenhuma vitória. 

O Coimbra que terminou a primeira fase sobrando, viu seus índices despencarem no segundo turno e acabou na terceira posição, não garantindo a vaga no próximo Módulo 2.

Houve apenas uma troca de treinador durante a competição: Wantuill Rodrigues por Eugênio Souza no Ipatinga. 


A surpresa


De volta ao profissionalismo após 5 anos, o Poços de Caldas foi a grande surpresa da competição. O time do sul do estado começou o campeonato com muitas dificuldades financeiras, até que a diretoria publicou uma carta aberta onde clamou a ajuda da cidade, da mídia e ameaçou abandonar a competição. Porém dentro de campo, o Vulcão fez bonito. Permaneceu invicto até a 6ª rodada e brigou pelo acesso até a penúltima. 

No fim, revelou Willian Emanuel, atacante autor de 10 gols na competição e que certamente receberá sondagens de outros clubes para o Mineiro do ano que vem. O honroso 4º lugar vem como prêmio para a equipe que luta por um lugar ao sol no cenário mineiro.


O fiasco


A princípio o Atlético B era uma ótima ideia. Formado com a intenção de oportunizar jogadores que já estouraram idade nas categorias de base do clube e quem sabe revelar alguns bons valores para o time de cima, não cumpriu com seu objetivo. Jogadores já experimentados como Mansur, Leleu, Donato, Ralph, Thalis, Capixaba e Elder jogaram a maioria das partidas tirando o espaço dos garotos que poderiam ter aproveitado a oportunidade de forma muito melhor para fazer a transição da base para o profissional. 

No fim, com a 5ª colocação entre 9 times, o Atlético viu apenas 2 atletas se “salvarem”: Marco Tulio e Marcos Vinicius, fora os goleiros Michael e Rodolfo que também mostraram qualidade.


A revelação


Se o Atlético B foi um grande fiasco na competição, contou ao menos com a revelação do campeonato: Marco Túlio, meia-atacante de 19 anos, vindo das categorias de base do clube e que marcou 7 gols na competição. Habilidoso, forte fisicamente e dono de um chute potente, não será surpresa se ganhar alguma oportunidade no time de cima do Atlético já no ano que vem. 


A volta por cima – atleta 

Paulo Henrique: artilheiro de ponta a ponta do campeonato

Revelado nas categorias de base do Atlético, Paulo Henrique surgiu como promessa no time comandado por Cuca em 2012. Foi campeão mineiro naquele ano e participou de apenas 2 jogos no Campeonato Brasileiro, não marcando nenhum gol. Foi emprestado ao São Caetano em 2013, disputou o Mineiro pelo Villa Nova em 2014 e a partir daí rodou por Caxias-RS, Boavista-RJ e Inter de Lages-SC até chegar em Ipatinga como um dos jogadores acima da idade permitida para o Campeonato Mineiro da Segunda Divisão. 

Logo na primeira partida ele mostrou a que veio: 3 gols na goleada do Tigre sobre o Betis de Ouro Branco. E não parou mais de fazer gols, foram 17 ao todo. Paulo Henrique ganhou moral e se continuar no Ipatinga será uma grande promessa de gols para 2018.


A volta por cima – clube 


O Democrata de Sete Lagoas é um dos clubes mais tradicionais do interior de Minas. Com 38 participações na primeira divisão do Campeonato Mineiro, o time se encontrava licenciados das competições profissionais e sob muitas dificuldades financeiras. Em 2017 a nova diretoria do Jacaré arrumou a casa, quitou as dívidas com a Federação Mineira e entrou novamente na disputa. Com um time instável, mas com experiência na hora da decisão, conseguiu uma virada histórica pra cima do Atlético B na última rodada para consagrar seu retorno ao Módulo 2.

O Democrata agora terá um desafio maior contra times do seu tamanho de tradição como Guarani, Mamoré, Uberaba, além dos fortes América-TO e Nacional de Muriaé: conseguir uma das vagas de volta a elite, competição que não disputa desde 2008.